Ir para o conteúdo
Bons ventos refrescam a produção agrícola do Pará, que deve encerrar 2021 com números recordes, a julgar pelo Levamento Sistemático da Produção Agrícola (LSPA) divulgado pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Uma parcial com referência ao mês de junho aponta que a colheita de cereais, leguminosas e oleaginosas prosperará 17% a mais este ano em relação a 2020.

O levantamento mostra que a expectativa é que as commodities do grupo dos cereais rendam 3,33 milhões de toneladas, quase meio milhão acima do registrado em 2020, de 2,846 milhões. Entre os produtos do grupo, é esperado que a soja dê um salto de 17,6%, passando de 1,862 milhão de toneladas para 2,189 milhões. A segunda safra de milho avançou 36,6%, passando de 339 mil toneladas em 2020 para uma expectativa de 463 mil toneladas este ano.

Lavoura de Soja em Santana do Araguaia – PA.

Em outro grupo de commodities, a produção de mandioca deve avançar de 3,813 milhões de toneladas para 3,94 milhões, crescimento de 3,3%. Enquanto isso, a produção de banana tem potencial de aumento para 415 mil toneladas, sendo que no ano passado foi de 407 mil toneladas. Já a safra de cana-de-açúcar deve encolher de 1,061 milhão de tonelada para 1,058 milhão este ano.

De janeiro a junho, o Pará embarcou ao exterior 1,297 milhão de toneladas de soja, o que fez retornar ao Brasil 506,44 milhões de dólares. O estado exportou mais que Santa Catarina (390,52 milhões de dólares), que é uma grande potência agrícola, e segue atrás de Tocantins (803,87 milhões), Bahia (725,95 milhões), Maranhão (648,27 milhões) e Rondônia (537,06 milhões). A soja é, hoje, o terceiro principal produto da cesta comercial paraense, depois do minério de ferro e do cobre.

No primeiro semestre, seis municípios paraenses registraram exportação significativa de soja, com movimentação superior a 1 milhão de dólares. Santana do Araguaia e Santarém destronaram, pela primeira vez, Paragominas, fazendo crer que os novos caminhos da commodity estão no sul e no oeste do estado. E uma curiosidade: em Santana do Araguaia, o faturamento de metade do ano com soja em moeda nacional, na ordem de R$ 815 milhões, é incrivelmente seis vezes maior que a arrecadação de um ano inteiro da prefeitura local.

EXPORTAÇÃO DA SOJA NO PARÁ NO 1º SEMESTRE

1º Santana do Araguaia: 160,86 milhões de dólares – 2º Santarém: 153,54 milhões de dólares – 3º Paragominas: 138,18 milhões de dólares – 4º Barcarena: 76,57 milhões de dólares – 5º Redenção: 64,37 milhões de dólares e 6º Dom Eliseu: 6,56 milhões de dólares.

Por Zé Dudu, Olhar Alerta.

Deixe uma resposta

Role para cima
%d blogueiros gostam disto: