Ir para o conteúdo

De acordo com o “Diagnóstico da Cadeia Produtiva da Piscicultura em Mato Grosso”, desenvolvido pelo Observatório do Desenvolvimento da Secretaria de Estado de Desenvolvimento Econômico (Sedec), Mato Grosso é o 5º maior produtor de peixes do país, com 34 mil toneladas produzidas em 2019 e Canarana – MT é o quinto município que mais produz peixe.

Os maiores produtores de pescado do estado são Nossa Senhora do Livramento (8,8 mil toneladas), Sorriso (5,6 mil toneladas), Alto Paraguai (2,5 mil toneladas), Campo Verde (1,5 mil toneladas), Canarana (1,1 mil toneladas) e Várzea Grande (0,9 mil toneladas).

Incentivo para produção de peixes – Foto por: Wenderson Araújo/CNA

O Secretário de Agricultura e Meio Ambiente de Canarana, Cleyton Dias de Souza afirma em entrevista para a AGRNotícias, que os números tendem a crescer, tendo em vista que “o município pretende iniciar este ano um programa de piscicultura, através de um Projeto de Lei, que autoriza o município a fazer a abertura de tanques escavados para os produtores. Vale destacar também nossa parceria com o CODEMA (Consórcio Intermunicipal de Desenvolvimento Econômico, Social e Ambiental “Médio Araguaia”) que tem um zootecnista que atende os produtores em visitas uma vez por mês, o que já gerou resultados muito bons, com produtores tendo aumento de renda”.

O perfil dos produtores da piscicultura mato-grossense é bem heterogêneo, segundo aponta o diagnóstico da Sedec. Há desde grandes estruturas produtivas, com perfil empresarial, até pequenos piscicultores familiares com produção voltada para subsistência e venda de excedentes. Em Canarana, há registro de grandes, médios e pequenos produtores.

Produtores do Araguaia se organizam para participar de manifestação em Brasília

As principais espécies produzidas atualmente em Mato Grosso são os peixes redondos (pacu, tambaqui e seus híbridos tambacu e tambatinga) e bagres de couro (pintado e surubim). Em relação ao volume produzido, as principais espécies são tambacu e tambatinga (62% da produção) pintado, cachara e surubim (15% da produção) e tambaqui (13%).

São 24 plantas frigoríficas de processamento de pescado operantes, cinco possuem o Serviço de Inspeção Federal (SIF) que autoriza a exportação para outros países. Mais de 60% dos frigoríficos estão na região Centro Sul do Estado. A dificuldade das indústrias é que cerca de 60% do pescado comercializado tem origem clandestina, deixando uma ociosidade de 48% nos frigoríficos pela baixa disponibilidade de matéria prima, aponta o diagnóstico.

Os piscicultores poderão acessar o Programa de Desenvolvimento Rural de Mato Grosso (Proder), que tem a finalidade de dar condições para o desenvolvimento do agronegócio no estado, tornando-o mais competitivo. Para as cadeias inseridas no Proder, há benefício de isenção de ICMS nas operações internas e, para operações interestaduais, percentual de incentivo de 62,5%.

Para ter acesso completo ao Diagnóstico da Cadeia Produtiva da Piscicultura em Mato Grosso clique aqui.

Por Governo de MT, com redação da AGRNotícias.

Deixe uma resposta

Role para cima
%d blogueiros gostam disto: