Ir para o conteúdo

A startup brasileira Coill criou uma plataforma para viabilizar a preservação ambiental da Amazônia por meio do financiamento de investidores a pequenos produtores do bioma.

Tido como um dos setores mais promissores da economia global, a bioeconomia pode ajudar o Brasil a reduzir dependência externa.

Castanheira na reserva legal comunitária do assentamento Vale do Amanhecer, em Juruena – MT; Foto – Marcelo Camargo/Agência Brasil).

O agricultor precisa cadastrar sua área preservada dentro das regras ambientais e, a partir disso, a Coill media a negociação com um investidor, que adota um hectare desta terra por um valor de 27 centavos de dólares por dia, totalizando 100 dólares por ano.

LEIA MAIS – Conheça o seguro rural paramétrico

“A Amazônia precisa ser preservada, mas não podemos fechar os olhos para o pequeno produtor, que acaba tendo grande parte de sua terra sem uso. Então, criamos uma forma de ajudar as duas pontas do problema: trazendo investidores para incentivar a preservação obrigatória dessas áreas”, comenta Fábio Marques, CEO da Coill, agrofintech que incentiva a adoção de florestas.

Amazônia

A preservação da Amazônia tem sido tema de debates nos últimos anos. O desmatamento da floresta despertou a atenção não somente dos brasileiros, mas do mundo todo.

O último levantamento realizado pelo Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE), apontou que entre o período de agosto de 2019 até julho de 2020 houve um total de 11.088 km² de área desmatada.

De acordo com o estudo da Imazon, 20,3 milhões de pessoas vivem no bioma amazônico, sendo mais de 30% delas morando em áreas rurais, em sua maioria tornando-se um pequeno produtor.

“Tendo sua terra regularizada, ele consegue ter mais essa renda, além de sua produção. Para que possa disponibilizar sua floresta para adoção, é preciso estar de acordo com a lei, então trazemos esse incentivo para que preservem a Amazônia”, explica o CEO da Coill.

Sustentabilidade

O investidor que adotar a área de preservação também tem suas vantagens. Segundo dados da SPC Brasil, 92% das pessoas consultadas prezam pelo consumo consciente na preservação do meio ambiente.

A Coill fornece também selos e certificações de Investidor Verde para quem investir na preservação das terras, mostrando que seu negócio, além de se preocupar com a preservação, ajuda os produtores locais.

“O mundo atual se preocupa com o consumo consciente, e ter esta certificação que sua empresa atua na preservação diretamente, é uma boa forma de atrair investidores para seu negócio. A marca apresenta sua preocupação com ações, que buscam resolver os problemas, e não somente com palavras”, exalta Fábio Marques.

Por Canal Rural com informações da Assessoria de Imprensa.

Deixe uma resposta

Role para cima
%d blogueiros gostam disto: