Ir para o conteúdo

O IFMT – Campus Guarantã do Norte em parceria com a Embrapa Agrossilvipastoril (Sinop/MT) e Fruticultura (Bahia), vem conduzindo um trabalho de pesquisa e extensão com o limão Tahiti desde 2016. Com a seleção dos enxertos adequados, resultados preliminares indicam média de 20% de aumento na produtividade. Como exemplo, um dos 13 porta-enxertos pesquisado obteve 60% a mais de produtividade da média na região de Guarantã do Norte.

Limão Tahiti; Foto – Léa Cunha/Embrapa.

LEIA MAIS – Em Querência, Projeto Pró-Limão colhe os primeiros frutos

O técnico-administrativo e engenheiro agrônomo responsável pelo trabalho, Sandro Caravina, explica que o trabalho no campus tem o objetivo de avaliar o efeito de 13 diferentes porta-enxertos nas características agronômicas da variedade do clone ‘CNPMF-02’ de limeira ácida “Tahiti”, para atender a demanda de conhecimento e informação aos produtores atendidos no programa Pró-Limão.

Segundo o técnico-administrativo e engenheiro agrônomo no prazo de três anos o plantio de 1 hectare de limão poderá produzir aproximadamente 11 toneladas de Tahiti com receita bruta estimada em R$ 16 mil.

“A partir do quinto ano tem-se a previsão de R$ 50 mil por hectare. O estado de Mato Grosso é importador de limão. A cultura tem potencial para melhorar significativamente a renda nos assentamentos estaduais e agricultura familiar, tendo em vista que na região norte de Mato Grosso estima-se a área plantada em 26 hectares”, conta Sandro Caravina.

O programa Pró-Limão é do Governo Estadual da Secretaria de Agricultura Familiar (SEAF) e Empresa Mato-Grossense de Pesquisa, Assistência Técnica e Extensão Rural (EMPAER), sendo desenvolvido preferencialmente nos assentamentos no Norte de Mato Grosso. O IFMT- Guarantã do Norte conta com a parceria da EMPAER para auxiliar neste programa desde 2016.

Sandro explica que os dados são positivos, mas ainda preliminares, pois em uma pesquisa de cultura perene, como o limão Tahiti, o prazo é de 10 anos de estudo, no mínimo.

O agrônomo relata que o Campus Guarantã do Norte tem uma área de meio hectare com o plantio do limão Tahiti, onde estão sendo realizados os experimentos, contanto com apoio de estagiários do IFMT do curso técnico integrado ao ensino médio em agropecuária. “Sem esses estudantes não conseguiríamos dar andamento ao trabalho de extensão. Na última semana colhemos 200 kg de limão. A produção foi doada para a Assistência Social das Prefeituras de Peixoto de Azevedo e Matupá”, afirma Sandro Caravina.

Por Assessoria IFMT.

Deixe uma resposta

Role para cima
%d blogueiros gostam disto: